Social Icons

sábado, 15 de março de 2014

(LR: FFXIII) Por dentro da Mitologia


Bom galera, agora que já me livrei da sombra do game over (sim, sim, eu consegui me livrar dele XD) e que não falta nenhum dos bosses principais do jogo, acho que fisicamente e emocionalmente já estou preparado pra falar da história, hahahaha...

Mas não quero apenas dar um briefing da história, não.. Quero fazer uma análise profunda e voltar as origens de tudo, entender a base por trás da base e conto com aquelas pessoas que adoram esse tipo de discussão, viu Neiva? Pra passar aqui e vamos enriquecendo o post. Faz muito tempo que joguei o Final Fantasy XIII e o XIII-2, tenho pesquisado sobre a história, mas pode ser que coma bola em determinados pontos, me avisem que eu vou acertando o post, hahahah...

Antes de mais nada, é essencial falar também que o texto abaixo contém SPOILERS DOS TRÊS JOGOS DA SAGA FINAL FANTASY XIII, não digam que eu não avisei depois =P

- PRÓLOGO-

Então, vamos começar do princípio, da Gênese do mundo dos nossos protagonistas queridos. Havia uma deusa chamada Muin que reinava sobre todo o mundo, que não tinha lá muita coisa, vamos combinar, então, o filho dessa deusa, Bhunivelze, passou a perna na mãe, matou-a e roubou o mundo para si, para ajudar ele a governar, ele criou as outras três divindades: Pulse, Lindzei e Etro. Pulse governaria a terra, Etro governaria o reino dos mortos e Lindzei protegeria Bhunivelze em seu sonho quase que perpétuo. Como no mundo, todo mundo adora delegar, essas divindades criaram os primeiros fal’Cies, que iriam auxiliar em suas tarefas, Pulse cria os fal’Cies de Pulse (óbvio) e Lindzei cria os fal’Cies daquilo que um dia seria Coccon. Etro derramou o seu sangue para criar os primeiros Humanos, que ela amava incondicionalmente, e assim as coisas começaram a entrar nos eixos, com o tempo, a maior parte da humanidade começou a residir em Coccon, enquanto a escória vivia em Pulse, os fal’Cies descobriram que poderiam usar os humanos pra fazer o seu trabalho sujo transformando-os em L’Cies e então veio a guerra das transgressões.

Essa é a guerra onde Fang e Vanille aparecem a primeira vez, ambas L’Cies de Pulse, que viviam no vilarejo de Oerba, e tem a missão de destruir Cocoon, mas, mesmo após se transformarem na criatura Ragnarok, elas não conseguem derrubar o paraíso artificial do céu, conseguem apenas fazer um buraco no casco do paraíso artificial construído pelos fal'Cies de Lindzei. Após isso, o fal’Cie que as marcou como L’Cie aceita que o foco delas está completo por hora, e elas ficam num sono de cristal por cem anos.

Quem quiser conferir o vídeo contando essa mitologia e das divindades de antes da história, só clicar aqui. (Não consegui adicionar diretamente o vídeo =P)

-FINAL FANTASY XIII-

Durante esse tempo, Cocoon temia um novo ataque de Pulse à qualquer hora e tudo o que fosse relacionado à Pulse de alguma forma deveria ser expurgado sumariamente, e assim começou a Purge, onde tudo e todos que supostamente tivessem contato com algo de Pulse deveriam deixar Cocoon e viver em Pulse. Nesse contexto somos apresentados a Lightning, que integra uma das divisões de defesa de Cocoon, A Guardian Corpses. Lightning tem uma irmã chamada Serah que deseja se casar com um (rebelde sem causa) rapaz muito decente chamado Snow Villiers, Light não aprova esse namoro, muito menos o casamento, a relação dos três só piora quando Serah entra em contato com um fal’Cie de Pulse que estava adormecido há anos na praia de Bodhum, onde eles vivem, e acaba marcada como L’Cie.

Ela se infiltra na Purge para tentar impedir que a irmã seja mandada para Pulse, enquanto Snow lidera o seu Team NORA numa resistência contra o Sanctum (fal’Cie que preside Cocoon) e contra o Purge. No fim das contas o destino acaba por reunir à eles um ex-companheiro de Light chamado Sazh, um menino chamado Hope, que quer vingança de Snow, por sua mãe que morreu na resistência e Vanille, que quer ajudar Hope a se encontrar com o Snow pra resolver a situação, eles acabam por encontrar Serah dentro do fal’Cie e acabam todos marcados como L’Cie.

Começa uma perseguição do Sanctum à eles, pois querem de qualquer jeito manda-los para Pulse. Eles seguirão caminhos separados, encontraram Fang, que se junta à “matilha” e eventualmente se reencontram e acabam aonde? Isso mesmo, em Gran Pulse, não vou ficar detalhando tanto essa parte, porque todos conhecem em detalhes essa parte da história, a confusão começa daqui pra frente, hahahah!

O negócio é o seguinte, eles acabam descobrindo que há uma trama entre os fal’Cies para destruir Cocoon e arrombar a porta do mundo dos mortos para chamar a atenção do “The Maker”, sim, do Bhunivelze, aquele que criou o mundo e tal. Porque eles querem fazer isso? Porque os fal’Cies desejam ser iguais aos humanos, pois os humanos (os que não são L’Cie, claro =P) são livres enquanto que os fal’Cies existem apenas pra cumprir um propósito específico e não podem sair muito disso.

Os nossos heróis decidem desafiar o destino e não completar o seu focus, mas antes disso querem salvar Cocoon, livrando-os dos fal’Cies, então eles retornam para Cocoon e derrotam Barthendelous/Sanctum e o fal’Cie Eden, mas eles não sabiam que ao fazer isso estariam condenando Cocoon à destruição, uma vez que o fal’Cie Eden era o que segurava o paraíso nas alturas, com a queda iminente de Cocoon todos se preparam para a morte, porém, um milagre acontece, Fang e Vanille se tornam novamente o monstro Ragnarok, mas dessa vez elas usam a energia do monstro para se transformarem em um pilar que impediria que Cocoon caísse.

Todos estão felizes, os L’Cies que haviam se transformado em cristal acordam novamente, livres de suas marcas e podem, enfim, viver uma vida normal e começar a construir esse novo mundo.

O Ending sensacional do Final Fantasy XIII
Confiram! Sempre vale a pena rever!

Porém, muitas vidas foram perdidas na quase queda de Cocoon, o que causou um descompasso no fluxo do Chaos, que funciona como o Lifestream do Final Fantasy VII, onde as almas dos que morreram voltam esperando o momento de renascer, esse descompasso fez com que o Chaos invadisse o mundo dos vivos e levasse Light direto para Valhala, reino da deusa Etro.

Nesse vídeo vemos o que acontece nos momentos exatamente após a cena acima!

-FINAL FANTASY XIII-2-

Light recebe a missão de proteger Valhala, a linha do tempo começa a entrar em colapso devido aos paradoxos temporais que essa mistura de Chaos e mundo dos vivos causou, um homem chamado Caius Ballad surge e quer de qualquer modo destruir a deusa Etro, mas para isso ele precisa derrotar Light. Noel, o último ser humano vivo em um futuro distante aparece e Light pede a sua ajuda para que ele encontre Serah e, juntos, resolvam os paradoxos temporais e coloquem a linha do tempo nos eixos novamente, para que o reino dos mortos e dos vivos fiquem separados, enquanto ela lida com Caius em Valhala.

Noel encontra Serah e juntos partem em sua missão (quase suicida) pelos paradoxos temporais, Serah espera rever Lightning, que todos acreditavam estar morta. Eles desvendam o mistério das Yeuls, jovens que eram “presenteadas” com o dom de prever o futuro e eram protegidas por Caius, esse dom vinha com um “brinde”, custava a vida das Yeuls, que renasciam apenas para terem uma visão e morrer. Caius era apaixonado por Yeul e estava cansado de vê-la morrer tantas vezes, enquanto ele era imortal, ele queria destruir a deusa Etro para acabar com esse ciclo de vida das Yeuls. Eles descobrem ainda que o pilar que segura Cocoon nos ares está com os dias contados e que a queda é inevitável. Hope tem um plano de construir uma nova Cocoon, que será chamada de Ark, onde a humanidade poderá florescer novamente sem a influência dos fal’Cies, eu não lembro direito, mas parece que isso só será possível quando todos os paradoxos temporais estiverem resolvidos.

Noel também era um guardião de Yeul, e fora treinado pelo próprio Caius, essa história também era a história dele e por isso, ele precisava resolvê-la. Eles conseguem restaurar a linha do tempo, mas precisam derrotar o Caius no mundo real e em Valhala pra por tudo no lugar. Eles o fazem,  no fim das contas Caius conta que matou Lightning e que Noel precisa mata-lo, porém, Noel fala pra Serah que é uma mentira usada por ele para fazê-los matá-lo, o que Noel se recusa a fazer, por fim, ele mesmo vai de encontro a espada de Noel e morre.

Com os paradoxos resolvidos e Caius morto, é hora de voltar para o mundo real e aproveitar os frutos do trabalho duro. O pilar de Cocoon se parte, Sazh salva Fang e Vanille dos escombros enquanto Hope coordena a energização do Ark, que finalmente pode ir para os céus. Serah e Noel saem do portal, são pegos também por Sazh. Happy Ending pra todo mundo, certo? Errado, aqui é Trollyama rapaz...

Serah tem uma visão e, como as Yeuls, morre nos braços de Noel, que fica desolado, o céu fica escuro, o Chaos começa a invadir tudo e Noel percebe a merda que aconteceu. Quando Caius “se suicidou”, na verdade ele não estava “se matando” e sim, destruiu o coração de Etro, que estava dentro dele e que lhe garantia a sua vida eterna. Com a deusa morta, não há nada que segure o Chaos em Valhala e o mundo dos vivos e dos mortos se fundem em um só, Light entra em um sono cristalizado, como um L’Cie que completa o seu focus, pouca ou nenhuma esperança resta, não há ark, não há nada que possa ser feito. Apenas Chaos.

E aqui aquele triste ending do XIII-2!

-LIGHTNING RETURNS: FINAL FANTASY XIII-

Queria achar a parte que a Light conta a história pro Hope!
Mas esse dá um resumo legal também!

Quinhentos anos se passam, o mundo é quase que extinto pelo Chaos, apenas quatro lugares no mundo restam, são as cidades de Yusnaan e Luxerion, a Dead Dunes e Wild Lands, que juntos compõem o mundo de Nova Chrysalia. Light é retirada do seu sono de cristal pelo próprio Bhunivelze, que tem uma missão que só ela pode cumprir. Ele diz à ela que o mundo encontrará o seu fim em treze dias e que ela precisa salvar a maior quantidade de almas possíveis para levar à um novo mundo que ele criará e que, em troca do “serviço prestado” ele trará Serah de volta à vida. Sem muita escolha, ela aceita o trabalho e recebe alguns poderes desse deus, por outro lado, ela meio que “perde” os seus sentimentos humanos.

Para auxilia-la nessa nova missão, Bhunivelze convovou também Hope, que, inexplicavelmente (até agora), voltou a ser criança... Esse novamente jovem Hope é uma espécie de Android, meio que “sem sentimentos” como a Light, ele recebe o conhecimento do próprio deus e compartilha com a Light, auxiliando-a em sua missão. Hope se lembra de sua vida anterior, mas não consegue sentir as emoções que viveu (eu sei, é muito estranho, ainda espero pelas respostas).

Para garantir que o mundo não sucumba antes do décimo terceiro dia, Light precisa destruir cinco fontes do Chaos, basicamente essas fontes estão ligadas há cinco pessoas distintas. Uma fonte é em Luxerion (Noel), uma em Yusnaan (Snow), uma em Dead Dunes (Fang) e duas em Wild Lands (Sazh e Caius), Light precisa salvar a alma dessas pessoas para dissipar essas cinco fontes de Chaos e garantir que o mundo chegue no dia do juízo final, rsrs... Além disso, ao realizar os desejos dos demais cidadãos espalhados pelo mundo (side quests) ela pode salvar também as almas destes. Salvar a alma das pessoas garante Eradia, que é uma espécie de energia divina que garante os poderes de Light, ou seja, quanto mais almas mais Eradia, quanto mais Eradia, mais força.

Enquanto lida com essas quests, Light ainda tem que lidar com a presença de Lumina, uma “menina” que se parece muito com a Serah e, que indiretamente está conectada com todos os amigos de Light e ainda, precisa entender quais são as reais intenções desse deus, se ele não está apenas usando-a mais uma vez como fizeram os fal’Cies e, mesmo que indiretamente, Etro.

Ainda não terminei o jogo e não posso dizer como irá acabar a história. As questões levantadas são muitas: Quem é a Lumina? Por quê ela está conectada com tudo e todos? Quais são as verdadeiras intenções de Bhunivelze já que, uma vez que Etro está morta, não haverá mais ciclo de vida e morte nesse novo mundo que ele criará? Por que o Hope voltou a ser criança? Por que Light está sem sentimentos? O que ela está escondendo dentro de si mesma? Qual a participação da Lindzei no “Jogo dos Tronos”? Etro e Bhunivelze estão sempre aparecendo na mitologia, mesmo Pulse já meio que apareceu, nada me tira da cabeça que a Lindzei está agindo nas sombras e que isso ainda terá consequências...

-BONUS-

Deixo mais um vídeo com uma música ótima e com as melhores cenas do Final Fantasy XIII... Queria que tivesse mais rock na trilha sonora, casa muito bem =P


Pronto, aqui está o texto, declaro aberta a seção de comentários, vamos bombar a discussão!

Bravely Default Review


Venho mais uma vez aqui para falar de Bravely Default, o incrível e mais novo JRPG da Square Enix, para o 3DS. Dessa vez eu já joguei o suficiente para poder escrever uma review definitiva do jogo, então vamos lá:

A história de Bravely Default é simples, mas o seu desenvolvimento é muito bom: o equilíbrio do mundo é mantido pelos 4 cristais, que são os cristais do vento, água, fogo e terra. Em determinado momento, uma escuridão envolve esses cristais, acabando com esse equilíbrio. Agnès, uma das personagens principais, é uma das chamadas Vestals, guardiãs desses cristais e, a partir disso, tenta retirar essa escuridão do seu cristal, o Cristal do Vento. Nisso acaba conhecendo Tiz, que teve o seu vilarejo, Norende, destruído por essa escuridão, e é o único sobrevivente. Eles acabam se juntando, e nessa jornada acabam encontrando outros dois personagens, Ringabel, um cara mulherengo que perdeu todas as suas memórias e Edea, uma garota que fazia parte do chamado "Duchy of Eternia", um grupo que é contra as vestals e os cristais, no qual o seu pai é líder. A partir daí é que a jornada desses 4 heróis começa de fato, com o objetivo de restaurar o equilíbrio do mundo e expulsar a escuridão dos cristais.
Bravely Default é um game nos moldes antigos, lembra muito os antigos Final fantasys. O sistema de combate é por turnos, só que com um diferencial: existem os chamados Battle Points(BP). Esses BPs atuam em conjunto com o sistema "Brave" e "Default". Nas batalhas, ao selecionar "Default", você pula aquele turno para ganhar +1 BP, seria como se fosse um comando "Defend" ou "Standby". Já o comando "Brave" usa esses BPs para que naquele turno,você possa agir mais de uma vez. Mas, como suas ações dependem de BP, se abusar do comando "Brave", vai acabar com BP negativo e não poderá agir nos próximos turnos, até que fique com 0 BP novamente. 

Além do sistema de combate ser muito bom,o jogo ainda conta com um Job System, onde você pode mudar os seus personagens de Job a qualquer momento! Essas jobs vão sendo disponíveis à medida em que você vai derrotando os bosses.

Além disso, o game tem um World Map, batalhas aleatórias enquanto anda pelo cenário, gráficos muito bonitos, lojas para comprar itens, equips e magias, uma trilha sonora muito boa e um "mini game" onde você aos poucos vai reconstruindo a cidade de Norende, onde você pode ir construindo/melhorando lojas, abrindo assim novos itens para comprar, tudo isso dependendo de tempo real para construir.

BD ainda utiliza o sistema de Streetpass do 3DS para recrutar mais pessoas para Norende( assim demorando menos tempo para construir o que você quiser), além de poder invocar amigos para te ajudar no game. Esse recrutamento também pode ser realizado uma vez ao dia através da internet.

Outra coisa muito legal no jogo é que existem ataques especiais que podem ser realizados depois de você cumprir certas condições, como por exemplo usar "Brave" 10 vezes, como no exemplo acima.


O interessante é que todos os especiais contam com uma customização completa, desde os movimentos que serão realizados, efeitos a mais nesses ataques e até mesmo a frase que o personagem irá falar ao usar esse ataque especial!

Conclusão

Bravely Default é perfeito para qualquer fã de JRPGs, tudo nesse jogo é muito bem feito, desde os lindos cenários, ótima trilha sonora e enredo com um bom desenvolvimento, até às batalhas divertidas e desafiadoras. Até mesmo a dublagem em inglês cumpre bem o seu papel, na minha opinião. Recomendo com certeza!

Notas
Gráficos - 9 limonadas
Jogabilidade - 10 limonadas
Enredo - 8 limonadas
Trilha Sonora - 10 limonadas

Nota final - 9,5 limonadas





 

Seguidores